Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o Mundo, que estabeleça pontes, mediações e diálogos entre todos os povos, culturas e civilizações e promova os valores mais universalistas, conforme o símbolo da Esfera Armilar. Há que visar o melhor possível para todos, uma cultura da paz, da compreensão e da fraternidade à escala planetária, orientada não só para o bem da espécie humana, mas também para a preservação da natureza e o bem-estar de todas as formas de vida sencientes.

"Nós, Portugal, o poder ser"

- Fernando Pessoa, Mensagem.

A Escola que temos é a escola que queremos?

A Escola Portuguesa

3 comentários:

Laura disse...

Caro Paulo,
gostei da sua exposição. Para mim, se este movimento nada mais conseguisse, conseguir mudar a educação em Portugal já era suficiente.
É o tema que me é mais caro e só não faço parte do grupo, pois sinto não ter as necessárias competências.
Considero importantíssimo e vital que este grupo consiga desenvolver um modelo alternativo de raíz que conquiste professores, alunos, pais e sindicatos.
É um trabalho duro, mas apaixonante.
Por mim, contribuirei, de qualquer forma, investigando e propondo, sempre que considerar que seja uma mais valia.
Saudações,
Laura

Laura disse...

Posso pôr o seu texto no fórum, Paulo? Penso que consigo fazer o download.

Paulo Feitais disse...

Cara Laura,

o texto é para servir para o que for preciso...
Publiquei-o assim para não ter que reformatá-lo, mas acho que está acessível para download(ainda me falta saber se os invisuais podem aceder ao seu conteúdo com os leitores de ecrã mais usuais, mas penso que sim).

Quanto às competências, eu acho que todas as pessoas de bem são competentes para pensarem a educação, uma vez que esta não deve ser usurpada por nenhum tipo de tecnocracia e esse é um domínio onde a cada momento está quase tudo por re-inventar.

:)

Enviar um comentário

A Escola que temos é a escola que queremos?

A Escola Portuguesa

3 comentários:

Laura disse...

Caro Paulo,
gostei da sua exposição. Para mim, se este movimento nada mais conseguisse, conseguir mudar a educação em Portugal já era suficiente.
É o tema que me é mais caro e só não faço parte do grupo, pois sinto não ter as necessárias competências.
Considero importantíssimo e vital que este grupo consiga desenvolver um modelo alternativo de raíz que conquiste professores, alunos, pais e sindicatos.
É um trabalho duro, mas apaixonante.
Por mim, contribuirei, de qualquer forma, investigando e propondo, sempre que considerar que seja uma mais valia.
Saudações,
Laura

Laura disse...

Posso pôr o seu texto no fórum, Paulo? Penso que consigo fazer o download.

Paulo Feitais disse...

Cara Laura,

o texto é para servir para o que for preciso...
Publiquei-o assim para não ter que reformatá-lo, mas acho que está acessível para download(ainda me falta saber se os invisuais podem aceder ao seu conteúdo com os leitores de ecrã mais usuais, mas penso que sim).

Quanto às competências, eu acho que todas as pessoas de bem são competentes para pensarem a educação, uma vez que esta não deve ser usurpada por nenhum tipo de tecnocracia e esse é um domínio onde a cada momento está quase tudo por re-inventar.

:)

Enviar um comentário