Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o Mundo, que estabeleça pontes, mediações e diálogos entre todos os povos, culturas e civilizações e promova os valores mais universalistas, conforme o símbolo da Esfera Armilar. Há que visar o melhor possível para todos, uma cultura da paz, da compreensão e da fraternidade à escala planetária, orientada não só para o bem da espécie humana, mas também para a preservação da natureza e o bem-estar de todas as formas de vida sencientes.

"Nós, Portugal, o poder ser"

- Fernando Pessoa, Mensagem.

A actual civilização cumpre o seu destino: ser a condição galopante da sua própria impossibilidade

O fracasso da cimeira de Copenhaga torna evidente que os estados nacionais e os poderes político-económicos mundiais não servem os interesses da população humana e dos seres vivos e sencientes no planeta.

A actual civilização cumpre o seu destino: ser a condição galopante da sua própria impossibilidade. O que é uma excelente notícia, não fora o sofrimento que causa e causará a milhões de seres...

umoutroportugal.blogspot.com

4 comentários:

David Amaral disse...

Parece que existe nos poderes políticos e económicos como que uma compulsão para o desastre que ao longo da história se vai repetido e expandido por todo o planeta.
Creio que essa compulsão, é um desequilíbrio do próprio sistema, que ganha vida e se alimenta de anular a dimensão "espiritual" e a imagem divina da humanidade em toda a sua diversidade. Nunca iríamos tolerar que as industrias a paranóia ou o ressentimento destruam o nosso mundo se visse-mos que o nosso mundo é o lugar sagrado e de mistério e de que em nós existe algo de divino.
Creio, e espero que um outro Portugal seja um exemplo para o mundo, de que se podem reunir todos os conhecimentos "espirituais", técnicos e científicos para o desenvolvimento da liberdade e da criatividade de cada indivíduo e por consequência das populações e de todos os seres.

Muito grato ao Paulo Borges pelo seu trabalho.

Paulo Borges disse...

Caro David, as suas palavras são generosas, mas é de todos este trabalho de ressacralizar o mundo.

Aproveito para anunciar que em breve anunciaremos um almoço ou jantar para que nos conheçamos pessoalmente e possamos avançar mais com os grupos de trabalho.

Saudações fraternas

David Amaral disse...

Penso um "outro Portugal" num sentido utópico,de uma nação com condições diferentes. Como disse Pessoa, a nação como um meio para benefício da humanidade.

Paulo Borges disse...

Temos de cultivar a evidência de que a única atitude mental natural é a de desejar e fazer que a nossa vida individual e colectiva esteja ao serviço do bem de todos os seres e da harmonia do planeta. Na verdade, considerar normal o contrário é considerar normal a doença!...

Enviar um comentário

A actual civilização cumpre o seu destino: ser a condição galopante da sua própria impossibilidade

O fracasso da cimeira de Copenhaga torna evidente que os estados nacionais e os poderes político-económicos mundiais não servem os interesses da população humana e dos seres vivos e sencientes no planeta.

A actual civilização cumpre o seu destino: ser a condição galopante da sua própria impossibilidade. O que é uma excelente notícia, não fora o sofrimento que causa e causará a milhões de seres...

umoutroportugal.blogspot.com

4 comentários:

David Amaral disse...

Parece que existe nos poderes políticos e económicos como que uma compulsão para o desastre que ao longo da história se vai repetido e expandido por todo o planeta.
Creio que essa compulsão, é um desequilíbrio do próprio sistema, que ganha vida e se alimenta de anular a dimensão "espiritual" e a imagem divina da humanidade em toda a sua diversidade. Nunca iríamos tolerar que as industrias a paranóia ou o ressentimento destruam o nosso mundo se visse-mos que o nosso mundo é o lugar sagrado e de mistério e de que em nós existe algo de divino.
Creio, e espero que um outro Portugal seja um exemplo para o mundo, de que se podem reunir todos os conhecimentos "espirituais", técnicos e científicos para o desenvolvimento da liberdade e da criatividade de cada indivíduo e por consequência das populações e de todos os seres.

Muito grato ao Paulo Borges pelo seu trabalho.

Paulo Borges disse...

Caro David, as suas palavras são generosas, mas é de todos este trabalho de ressacralizar o mundo.

Aproveito para anunciar que em breve anunciaremos um almoço ou jantar para que nos conheçamos pessoalmente e possamos avançar mais com os grupos de trabalho.

Saudações fraternas

David Amaral disse...

Penso um "outro Portugal" num sentido utópico,de uma nação com condições diferentes. Como disse Pessoa, a nação como um meio para benefício da humanidade.

Paulo Borges disse...

Temos de cultivar a evidência de que a única atitude mental natural é a de desejar e fazer que a nossa vida individual e colectiva esteja ao serviço do bem de todos os seres e da harmonia do planeta. Na verdade, considerar normal o contrário é considerar normal a doença!...

Enviar um comentário