Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o Mundo, que estabeleça pontes, mediações e diálogos entre todos os povos, culturas e civilizações e promova os valores mais universalistas, conforme o símbolo da Esfera Armilar. Há que visar o melhor possível para todos, uma cultura da paz, da compreensão e da fraternidade à escala planetária, orientada não só para o bem da espécie humana, mas também para a preservação da natureza e o bem-estar de todas as formas de vida sencientes.

"Nós, Portugal, o poder ser"

- Fernando Pessoa, Mensagem.

Refundar Portugal ou Um Outro Portugal

Pronto, vou dizê-lo... devo confessar que a expressão"Refundar Portugal" me desagrada. A palavra "refundar" traz à minha mente imagens de barcos naufragados e âncoras gigantes cheias de limos que arrastam para o fundo (o logotipo dá uma ajuda, ainda bem que está a ser revisto). Re-fundar soa-me a algo reaccionário, parece-me um pouco dissonante do espírito que anima este grupo. Quando me refiro ao movimento utilizo sempre o termo "Outro Portugal" - aquele que nunca existiu - um termo cheio de esperança projectada no futuro.

10 comentários:

David Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
David Amaral disse...

Re-fundar significa para mim por fundamentos. Não podemos negar que vivemos um processo de "crise". Também partilho a ideia sobre o termo "Outro Portugal".
Talvez seja interessante questionar quais são os critérios actuais para o termo "reaccionário", a maior parte das vezes vem de uma visão redutora transmitida pelos meios de comunicação social...
O silêncio é reaccionário - Jean-Paul Sartre
O silêncio político claro.

Laura disse...

Já preferi o Refundar Portugal, pela força da palavra, mas agora já entendi melhor as conotações que pode ter e também só tenho usado "Outro Portugal". Se quiserem, podemos até mudar o mail do movimento. O que acham?

Paulo Borges disse...

Usei Refundar Portugal no sentido de recriar a nossa realidade colectiva a partir de bases novas, como a solidariedade com o planeta, os homens e os demais seres sencientes. O Portugal que temos, não o esqueçamos, foi criado e desenvolveu-se sob o signo da violência contra o outro.
Admito todavia que a expressão não seja assim entendida por todos e, nesse sentido, também me inclino a preferir Outro Portugal. Já agora, uma questão, que um amigo já me colocou: será melhor Outro Portugal ou Um Outro Portugal? Gosto mais da primeira, porque a segunda é mais vaga...

Dulce Alves disse...

Eu penso que a dispersão não é útil.Um só nome que identifique o movimento, a par de uma concentração dos meios que as pessoas utilizam para aceder ao mesmo parece-me importante...neste momento, para me manter a par de tudo o que se passa, tenho que ler o blog, ver a página geral do facebook, a página privada do facebook, o fórum, a wiki... com a perspectiva do jornal, de uma nova página no facebook e outras wikis!! Não conseguimos condensar isto tudo? Está-se a tornar um pouco esquizofrénico...

Paulo Borges disse...

Sinto o mesmo que a Dulce. O ideal seria concentrar isto o mais possível. Pura e simplesmente não consigo ter tempo para navegar por todos estes espaços...

Dulce Alves disse...

Aproveito ainda para sugerir o seguinte: quando partilhamos links de textos através do facebook aparece sempre na miniatura o texto do início da página "Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o mundo, que estabeleça pontes...etc" Seria possível que isto não sucedesse? Torna-se repetitivo e (parece-me) que faz com que as pessoas não se sintam tão inclinadas a abrir o ítem e ler o conteúdo do texto que estamos a tentar partilhar. Ou não?

Paulo Borges disse...

Basta seleccionar o texto e apagá-lo. Porém, quanto a mim, é uma forma de dar a conhecer a essência do projecto para quem ainda não o conhece.

Cléo disse...

O meu sentimento é identico ao da dulce e do paulo. Como não consigo (também) estar em todo o lado, optei por concentrar-me no blog e em divulgar coisas no facebook.... mas confeço que não vou muito ao grupo privado do face (também não sei bem como funciona...).
Em relação à imagem que aparece quando publicamos artigos do Outro Portugal, eu também acho importante saír sempre a imagem de rosto do movimento: as pessoas vão se habituando à imagem e percebendo que existe qualquer coisa de permanente e consistente a acontecer. Mas já reparei que, se usarmos o link geral do blog, o título que aparece na mensagem é sempre igual, e isso sim, pode ficar cansativo... há uma forma de não acontecer, mantendo a imagem de referencia ao blog, assim como o nome. Basta seleccionar, dentro do blog, a mensagem que queremos publicar; depois vai aparecer só a mensagem (e não o blog inteiro): é este link que podemos usar para colar no facebook. Desta forma aparece a imagem e o titulo do movimento e, ao lado, o titulo do post do blog que queremos chamar atenção; também, ao clicar para ler, a pessoa irá caír directamente sobre a mensagem que estamos a comentar....
Espero não estar a ser confusa.... julgo que desta forma funciona muito bem!

David Amaral disse...

Sem dúvida que devemos concentrar tudo só num sítio!
Acho que esta confusão inicial é natural e até me parece que é algo positivo: é sinal que nos tentamos organizar de uma maneira em rede,com a contribuição possível de todos... se nos conseguirmos organizar mais pessoas vão contribuir...

O Outro, na abordagem antropológica se refere a uma construção identitária, processo pelo qual um grupo constitui um outro grupo de valores, representações, sentidos.

da wikipedia

Enviar um comentário

Refundar Portugal ou Um Outro Portugal

Pronto, vou dizê-lo... devo confessar que a expressão"Refundar Portugal" me desagrada. A palavra "refundar" traz à minha mente imagens de barcos naufragados e âncoras gigantes cheias de limos que arrastam para o fundo (o logotipo dá uma ajuda, ainda bem que está a ser revisto). Re-fundar soa-me a algo reaccionário, parece-me um pouco dissonante do espírito que anima este grupo. Quando me refiro ao movimento utilizo sempre o termo "Outro Portugal" - aquele que nunca existiu - um termo cheio de esperança projectada no futuro.

10 comentários:

David Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
David Amaral disse...

Re-fundar significa para mim por fundamentos. Não podemos negar que vivemos um processo de "crise". Também partilho a ideia sobre o termo "Outro Portugal".
Talvez seja interessante questionar quais são os critérios actuais para o termo "reaccionário", a maior parte das vezes vem de uma visão redutora transmitida pelos meios de comunicação social...
O silêncio é reaccionário - Jean-Paul Sartre
O silêncio político claro.

Laura disse...

Já preferi o Refundar Portugal, pela força da palavra, mas agora já entendi melhor as conotações que pode ter e também só tenho usado "Outro Portugal". Se quiserem, podemos até mudar o mail do movimento. O que acham?

Paulo Borges disse...

Usei Refundar Portugal no sentido de recriar a nossa realidade colectiva a partir de bases novas, como a solidariedade com o planeta, os homens e os demais seres sencientes. O Portugal que temos, não o esqueçamos, foi criado e desenvolveu-se sob o signo da violência contra o outro.
Admito todavia que a expressão não seja assim entendida por todos e, nesse sentido, também me inclino a preferir Outro Portugal. Já agora, uma questão, que um amigo já me colocou: será melhor Outro Portugal ou Um Outro Portugal? Gosto mais da primeira, porque a segunda é mais vaga...

Dulce Alves disse...

Eu penso que a dispersão não é útil.Um só nome que identifique o movimento, a par de uma concentração dos meios que as pessoas utilizam para aceder ao mesmo parece-me importante...neste momento, para me manter a par de tudo o que se passa, tenho que ler o blog, ver a página geral do facebook, a página privada do facebook, o fórum, a wiki... com a perspectiva do jornal, de uma nova página no facebook e outras wikis!! Não conseguimos condensar isto tudo? Está-se a tornar um pouco esquizofrénico...

Paulo Borges disse...

Sinto o mesmo que a Dulce. O ideal seria concentrar isto o mais possível. Pura e simplesmente não consigo ter tempo para navegar por todos estes espaços...

Dulce Alves disse...

Aproveito ainda para sugerir o seguinte: quando partilhamos links de textos através do facebook aparece sempre na miniatura o texto do início da página "Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o mundo, que estabeleça pontes...etc" Seria possível que isto não sucedesse? Torna-se repetitivo e (parece-me) que faz com que as pessoas não se sintam tão inclinadas a abrir o ítem e ler o conteúdo do texto que estamos a tentar partilhar. Ou não?

Paulo Borges disse...

Basta seleccionar o texto e apagá-lo. Porém, quanto a mim, é uma forma de dar a conhecer a essência do projecto para quem ainda não o conhece.

Cléo disse...

O meu sentimento é identico ao da dulce e do paulo. Como não consigo (também) estar em todo o lado, optei por concentrar-me no blog e em divulgar coisas no facebook.... mas confeço que não vou muito ao grupo privado do face (também não sei bem como funciona...).
Em relação à imagem que aparece quando publicamos artigos do Outro Portugal, eu também acho importante saír sempre a imagem de rosto do movimento: as pessoas vão se habituando à imagem e percebendo que existe qualquer coisa de permanente e consistente a acontecer. Mas já reparei que, se usarmos o link geral do blog, o título que aparece na mensagem é sempre igual, e isso sim, pode ficar cansativo... há uma forma de não acontecer, mantendo a imagem de referencia ao blog, assim como o nome. Basta seleccionar, dentro do blog, a mensagem que queremos publicar; depois vai aparecer só a mensagem (e não o blog inteiro): é este link que podemos usar para colar no facebook. Desta forma aparece a imagem e o titulo do movimento e, ao lado, o titulo do post do blog que queremos chamar atenção; também, ao clicar para ler, a pessoa irá caír directamente sobre a mensagem que estamos a comentar....
Espero não estar a ser confusa.... julgo que desta forma funciona muito bem!

David Amaral disse...

Sem dúvida que devemos concentrar tudo só num sítio!
Acho que esta confusão inicial é natural e até me parece que é algo positivo: é sinal que nos tentamos organizar de uma maneira em rede,com a contribuição possível de todos... se nos conseguirmos organizar mais pessoas vão contribuir...

O Outro, na abordagem antropológica se refere a uma construção identitária, processo pelo qual um grupo constitui um outro grupo de valores, representações, sentidos.

da wikipedia

Enviar um comentário