Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o Mundo, que estabeleça pontes, mediações e diálogos entre todos os povos, culturas e civilizações e promova os valores mais universalistas, conforme o símbolo da Esfera Armilar. Há que visar o melhor possível para todos, uma cultura da paz, da compreensão e da fraternidade à escala planetária, orientada não só para o bem da espécie humana, mas também para a preservação da natureza e o bem-estar de todas as formas de vida sencientes.

"Nós, Portugal, o poder ser"

- Fernando Pessoa, Mensagem.

Comunicação e educação alternativas

O artigo traz, num primeiro momento, uma breve explanação sobre o termo “alternativo”, sua evolução e aplicações tanto na educação como na comunicação. Logo, concentra-se na sistematização das principais idéias trazidas pelos autores em relação ao termo. Passa ainda a apontar a interface entre a comunicação e educação alternativas como uma possibilidade concreta de transformação social, participação e cidadania. Por fim, trata a questão do paradoxo do oprimido, que, considerado ingênuo e manipulável, é o verdadeiro responsável por projetos que objetivam a melhoria de suas condições enquanto cidadãos. Ler o artigo completo em: http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/UNIrev_OtreOliveira.PDF

2 comentários:

Laura disse...

Gostei bastante de ler este artigo. Ajudou-me a reflectir sobre comunicação, sobre a sua ligação com a educação (comunicação, também, no caso unilateral, a servir certos interesses, com a qual pretendemos romper), sobre a eterna criatividade e contestação do ser humano, que me dá sempre alento.
Obrigada, Dulce. Recomendo a leitura e mais pesquisa sobre o assunto.
Abraço,
Laura

Dulce Alves disse...

Ainda bem, Laura.
Também gostei particularmente deste artigo por me ter feito reflectir sobre temas que nem sequer eram ali tratados.
Beijo.
Dulce

Enviar um comentário

Comunicação e educação alternativas

O artigo traz, num primeiro momento, uma breve explanação sobre o termo “alternativo”, sua evolução e aplicações tanto na educação como na comunicação. Logo, concentra-se na sistematização das principais idéias trazidas pelos autores em relação ao termo. Passa ainda a apontar a interface entre a comunicação e educação alternativas como uma possibilidade concreta de transformação social, participação e cidadania. Por fim, trata a questão do paradoxo do oprimido, que, considerado ingênuo e manipulável, é o verdadeiro responsável por projetos que objetivam a melhoria de suas condições enquanto cidadãos. Ler o artigo completo em: http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/UNIrev_OtreOliveira.PDF

2 comentários:

Laura disse...

Gostei bastante de ler este artigo. Ajudou-me a reflectir sobre comunicação, sobre a sua ligação com a educação (comunicação, também, no caso unilateral, a servir certos interesses, com a qual pretendemos romper), sobre a eterna criatividade e contestação do ser humano, que me dá sempre alento.
Obrigada, Dulce. Recomendo a leitura e mais pesquisa sobre o assunto.
Abraço,
Laura

Dulce Alves disse...

Ainda bem, Laura.
Também gostei particularmente deste artigo por me ter feito reflectir sobre temas que nem sequer eram ali tratados.
Beijo.
Dulce

Enviar um comentário