Um espaço para reinventar Portugal como nação de todo o Mundo, que estabeleça pontes, mediações e diálogos entre todos os povos, culturas e civilizações e promova os valores mais universalistas, conforme o símbolo da Esfera Armilar. Há que visar o melhor possível para todos, uma cultura da paz, da compreensão e da fraternidade à escala planetária, orientada não só para o bem da espécie humana, mas também para a preservação da natureza e o bem-estar de todas as formas de vida sencientes.

"Nós, Portugal, o poder ser"

- Fernando Pessoa, Mensagem.

Agostinho da Silva: da educação como "técnicas de fabricar adultos pelo assassínio das crianças"

"[referindo-se à revolução industrial inglesa] De então para diante em nada mais se mudou, na grande massa de educação, senão nas técnicas de fabricar adultos pelo assassínio das crianças; a humanidade de jeito ocidental pratica em grande escala o infanticídio de espírito, apenas o punindo quando é físico porque isso lhe rouba definitivamente a matéria prima do adulto. Aquelas crianças que várias vezes Fernando Pessoa apontou como a melhor coisa que há no mundo, aquele Menino eternamente criança e humano que era para Alberto Caeiro o Deus verdadeiro e supremo que faltava no universo, a essas diariamente as sacrificam as nossas escolas, diariamente as crucificam, diariamente as imolam nas aras da Eficiência”
– Agostinho da Silva, Um Fernando Pessoa [1959], in Ensaios sobre Cultura e Literatura Portuguesa e Brasileira I, p.115.

1 comentários:

Magno Jardim disse...

Não poderia estar mais de acordo, não só com agostinho referindo-se à revolução industrial inglesa, Mas também com a mensagem que nos faz chegar com ela a nossos dias;
Vã o sistema de educação que pelo contrario de educar;
Programa e mata, enterra e encobre, os livres de espirito em prol da máquina em tempos de mudança e funcionamento que é a nossa sociedade.

Cordialmente.
Magno Jardim

Enviar um comentário

Agostinho da Silva: da educação como "técnicas de fabricar adultos pelo assassínio das crianças"

"[referindo-se à revolução industrial inglesa] De então para diante em nada mais se mudou, na grande massa de educação, senão nas técnicas de fabricar adultos pelo assassínio das crianças; a humanidade de jeito ocidental pratica em grande escala o infanticídio de espírito, apenas o punindo quando é físico porque isso lhe rouba definitivamente a matéria prima do adulto. Aquelas crianças que várias vezes Fernando Pessoa apontou como a melhor coisa que há no mundo, aquele Menino eternamente criança e humano que era para Alberto Caeiro o Deus verdadeiro e supremo que faltava no universo, a essas diariamente as sacrificam as nossas escolas, diariamente as crucificam, diariamente as imolam nas aras da Eficiência”
– Agostinho da Silva, Um Fernando Pessoa [1959], in Ensaios sobre Cultura e Literatura Portuguesa e Brasileira I, p.115.

1 comentários:

Magno Jardim disse...

Não poderia estar mais de acordo, não só com agostinho referindo-se à revolução industrial inglesa, Mas também com a mensagem que nos faz chegar com ela a nossos dias;
Vã o sistema de educação que pelo contrario de educar;
Programa e mata, enterra e encobre, os livres de espirito em prol da máquina em tempos de mudança e funcionamento que é a nossa sociedade.

Cordialmente.
Magno Jardim

Enviar um comentário